A Ressonância Magnética (RM) é um exame de imagem de grande valor clínico por permitir analisar detalhadamente as estruturas do interior do corpo, sem emitir radiação ionizante. Para isso, a RM utiliza uma tecnologia combinada de ondas de rádio e campo magnético que permite obter imagens de todo o corpo em altíssima definição, facilitando a visualização de detalhes e substâncias que não podem ser vistas tão bem com a tomografia ou outros exames, como gordura, líquor, medula óssea, tendões e outros.

Principais indicações da Ressonância Magnética

A Ressonância Magnética é um exame indicado principalmente para situações clínicas que demandam um alto nível de detalhamento e resolução de imagem, principalmente para avaliar estruturas anatômicas que são difíceis de diferenciar na tomografia computadorizada. Assim, suas principais indicações são:

  • Avaliação de lesões musculoesqueléticas que afetam músculos, ligamentos e tendões;
  • Investigação e diagnóstico de doenças neurológicas, como neuromielite óptica, esclerose múltipla, tumores e atrofias;
  • Avaliação de problemas cardíacos como malformações e cardiomiopatias;
  • Acompanhamento da evolução ou involução de tumores em várias partes do corpo.

Como o exame de Ressonância Magnética é realizado?

Para fazer a Ressonância Magnética o paciente deve permanecer deitado em uma mesa móvel que desliza para dentro de um tubo circular, o qual tem um ímã potente e uma antena emissora de ondas de rádio. Assim, devido a esse enorme campo magnético, é preciso se certificar de que o paciente não esteja com nenhum objeto metálico, sendo contraindicado para pessoas com determinados tipos de prótese, por exemplo.

Tipos de Ressonância Magnética

A Ressonância Magnética pode ser realizada para avaliar praticamente todas as partes do corpo com amplo detalhamento, sendo que os tipos mais solicitados e realizados na prática médica estão apresentados a seguir.

  • Ressonância Abdominal

Através da RM de abdome é possível diagnosticar e acompanhar lesões altamente específicas, como aneurismas de aorta, pancreatite, hepatite, endometriose e outras.  

  • Ressonância de Mamas

Mulheres com mamas densas ou com alterações suspeitas na mamografia podem ter indicação de fazer uma Ressonância Magnética para avaliar melhor as alterações encontradas.

  • Ressonância de Pelve

A avaliação de órgãos pélvicos, como bexiga, útero e próstata, é uma das indicações da RM, que também pode ajudar a identificar fraturas de quadril em pacientes com osteopenia.

  • Ressonância de Próstata

A Ressonância Magnética tem bastante utilidade também para a saúde masculina, sendo solicitada por urologistas para investigar condições da glândula prostática.

  • Ressonância de Crânio

Uma das áreas médicas que mais se beneficia com a tecnologia da RM é a neurologia, pois o exame permite avaliar a medula espinhal em detalhes, os ramos de nervos cranianos e espinhais, a presença de líquor em qualquer cavidade e até mesmo atrofias que podem colaborar para o diagnóstico de demências.

  • Ressonância de Coluna

Ao permitir avaliar em detalhes os elementos da coluna vertebral, a Ressonância Magnética ajuda na definição terapêutica de diversas condições que geram sintomatologias sensitivas e motoras devido a lesões traumáticas ou compressivas da coluna.

  • Ressonância Cardíaca

Através da RM cardíaca é possível encontrar danos do tecido muscular que podem ter sido causados por inúmeras condições clínicas, incluindo arritmias e até mesmo a doença arterial coronariana (que pode levar ao infarto).

Prepare-se para o exame de Ressonância Magnética

Para garantir a eficácia do exame, algumas orientações de preparação devem ser seguidas:

  • Retirar todo e qualquer objeto metálico do corpo, pois podem interferir com o campo magnético do equipamento e causar lesões graves;
  • Informar previamente se tiver claustrofobia para discutir com o médico a possibilidade de sedação;
  • Informar sobre alergias a iodo ou complicações prévias devido ao uso do contraste, bem como doenças renais (que podem ser exacerbadas com essa substância);
  • Informar-se sobre a necessidade de jejum, embora na maior parte dos casos não seja necessário.