A displasia de desenvolvimento do quadril (DDQ) é causada por uma instabilidade da articulação coxo-femoral, por um encaixe incorreto da cabeça do fêmur na bacia, tornando o quadril frouxo, chamado de displásico.

Ela é mais frequente em meninas. Seus fatores predisponentes podem ser   genéticos, hormonais e mecânicos (que podem ser secundários à posição do feto no útero materno).

O diagnóstico é suspeitado na maternidade, quando o pediatra sente um “click” ou um ressalto ao mover os quadris da criança (o chamado “sinal de Ortolani positivo).

A ultrassonografia é o método de imagem ideal para avaliação da articulação do quadril, visto que é um exame simples, indolor, sem radiação ionizante e capaz de visualizar a cabeça femoral. A avaliação radiográfica dos quadris se torna mais útil a partir dos 4 meses de idade, quando se inicia a ossificação das cabeças femorais. A idade ideal para realização do exame é em torno de 2 meses de idade. A finalidade é avaliar a congruência da articulação dos quadris, definindo se é normal ou, quando patológico, qual o grau dessa alteração. É importante a detecção precoce da DDQ porque o tratamento é mais fácil e eficiente quanto mais precocemente for iniciado.